Arquivo | junho, 2008

Tic Tac Tic Tac

6 jun

Ando me sentindo entregue ao tempo. Completamente dele e não minha.

Cadê o meu tempo? Me sinto uma marionete comandada pela vida, não sua comandante. Vejo o mundo passando ao meu lado, as pessoas, as horas, os movimentos, e me vejo alheia a tudo.. É um corre-corre, um ciclo que não pára, não respira e não olha para trás; não percebo quase mais nada, não tenho a mim nem aos outros – está tudo superficial. O mundo corre e eu o estou perdendo a cada dia. Sinto falta do cheiro das manhãs com café, das cores, dos pôres-do-sol na praia,  de observar transeuntes, da ausência de pensamentos,

Quero de volta o meu tempo, meu ritmo.

A vida que transbordava entre os meus dedos.