Arquivo | janeiro, 2009
9 jan

Estou sozinho no escuro. Embarcado em redemoinhos pesados que naufragam minha consciência. Tateio pelo copo de café frio e amargo que acumula poeira no chão, ao lado do meu leito. Há vapor, angústia e cheiros fortes perfurando meus pulmões. O corpo dela sua, enrolado nos meus lençóis brancos e levemente perfumados.

Sinto uma vontade remota de chorar.
Sinto uma vontade remota de jogá-la escadas abaixo.

Estou sufocado e impaciente, comprimido por uma vida vazia e cinza; sinto meu peito se sacudir em espasmos que se tornam cada vez mais violentos e meu rosto se contorce em meio à dor e às lágrimas. De repente estou gritando meu desespero: ela desperta aterrorizada, tropeça pelo quarto recolhendo suas roupas espalhadas e foge para longe, deixando-me não tão desconfortavelmente a sós com a minha loucura.

.

sobre galáxias, colisões, etc.

7 jan

Li ontem no Le Monde online que a nossa galáxia – a Via Láctea – é maior e gira mais rápido do que se pensava.
Essa massa 50% maior significa que a Via Láctea tem maiores chances de colidir com alguma outra galáxia – sua vizinha Ândromeda, por exemplo.

Nosso sistema solar se situa a aproximadamente 28 mil anos-luz do centro da Via Láctea. Para se ter uma idéia, um ano-luz é equivalente a 9.460 bilhões de quilômetros. A galáxia está então 264.880.000.000.000 km longe de nós.

Quando a nossa galáxia colidir com qualquer outra coisa (se já não tiver colidido), ficaremos sabendo após alguns milhares de anos. Aliás, nós não.

Nossa vida é então da mais completa insignificância. É bem menos que um pixel da tela do computador. Está perdida no meio das 200 bilhões de estrelas e, quem sabe, outros seres, da nossa galáxia. Nossas preocupações são praticamente irrelevantes […]

Como essa discussão também é insignificante e irrelevante e não chegará a lugar algum, vou encerrá-la agora. E seguirei com minhas preocupações, minha vida desorganizada e me lichando para explosões fora do meu alcance.

via_lactea_esquisita